A Comissão Europeia abriu um procedimento de infração contra Dinamarca, Holanda, Itália, Polônia e Portugal por desrespeito às normas do bloco em licitações nos setores de defesa e segurança

A decisão ocorre enquanto a União Europeia tenta construir um mercado único e um sistema comum de defesa. É a primeira vez que o poder Executivo do bloco interfere em concorrências públicas nesse segmento, uma forma de passar um recado aos Estados-membros.

“Desde o início de seu mandato, a gestão [Jean-Claude] Juncker se empenhou para construir uma Europa forte, capaz de defender e proteger seus cidadãos em seu território e no exterior. Essa ambição não pode se tornar realidade sem unificar os investimentos no setor de defesa e sem reforçar as condições para um mercado de defesa aberto e competitivo na Europa”, diz um comunicado de Bruxelas.

A Itália, por exemplo, é investigada por conceder diretamente a fornecedores nacionais contratos referentes a seis navios de patrulha. O objetivo não é fazer uma “declaração de guerra” contra os países, mas sim forçar seus governos a se sentarem com a UE para estabelecer parâmetros comuns. (ANSA)