Na noite de ontem (17), uma turista alemã de 57 anos foi estuprada e deixada amarrada em um poste em parque de Roma, acarretando em mais um episódio de violência sexual na Itália.

O crime ocorreu em Villa Borghese, no centro da capital italiana. A turista foi encontrada por volta da 1h da manhã de hoje por um taxista. Na situação, ela encontrava-se nua, amarrada em um poste e com um lenço na boca para impedir que gritasse.

A polícia italiana procura como suspeito responsável pelo crime um estrangeiro de cerca de 20 anos.

A vítima, que vive há seis meses em Roma sem residência fixa, está internada no hospital Santo Espírito. Em estado de choque, a turista alemã contou à polícia que, antes do estupro, tinha sido assaltada pelo jovem que lhe roubara 40 euros.

Este já é o terceiro caso de estupro contra uma mulher estrangeira em Roma em apenas uma semana. Há poucos dias, uma turista belga denunciou um jovem israelense de 26 anos que tentou violentá-la perto do Palácio do Campidoglio. Em outro episódio, uma jovem finlandesa foi estuprada por um bengalês de 22 anos, o qual, em depoimento à polícia, alegou que a mulher havia consentido a relação.

No balneário de Rimini, um caso de estupro coletivo contra uma polonesa também gerou grande repercussão na Itália no início do mês. Uma transexual peruana também fora vítima do grupo, formado por estrangeiros de origem africana O líder do partido de extrema-direita Liga Norte, Matteo Salvini, criticou a situação da Itália e afirmou que o país sofre uma “epidemia” de crimes sexuais.