Bari, Cesena e Reggiana enfrentaram grave crise financeira

(ANSA) – Envolvidos em uma grave crise financeira, três clubes do futebol italiano tiveram ontem (16) suas falências decretadas pela Justiça do país e terão que fechar suas portas. Assim como o Parma em 2015 e a Fiorentina em 2002, agora Reggiana, Bari e Cesena vão ter que recomeçar suas respectivas histórias na divisão amadora do “calcio” (Série D) com outro nome e escudo.

O Associazione Calcio Reggiana, que disputou a Série C (Lega Pro) na temporada passada, chegou até a apresentar toda a documentação para se inscrever no campeonato, no entanto, a participação do clube foi bloqueada pela organização da liga por causa das altas dívidas bancárias que a entidade acumulou.

Fundado em 1919 e presidiado pelo ex-jogador de beisebol Mike Piazza, o clube chegou a disputar sete edições da Série A. O ex-time de grandes ex-atletas como Claudio Taffarel e Fabrizio Ravanelli irá enfrentar a sua segunda falência na história.

Depois de disputar a Série B na temporada passada e ter brigado para não cair, o Associazione Calcio Cesena, por sua vez, teve seu pedido de falência decretado pela Procuradoria de Forlì. O clube “bianconero” precisava de seis milhões de euros para conseguir se inscrever na competição, mas não conseguiu arrecadar a quantia. Um banco britânico até tentou salvar a equipe, porém desistiu no meio das negociações.

Ao contrário do Reggiana, essa é a primeira vez em que o Cesena entra em falência. O clube disputou 13 edições da elite do futebol italiano, sendo a última na temporada 2014/15. Por fim, o Bari colocou um ponto final em sua história após 110 anos. Como o Cesena, o clube biancorosso não cumpriu os requisitos financeiros para se inscrever para a próxima temporada da Série B. Três vezes semifinalista da Copa da Itália, o Bari possui 32 participações na Série A, sendo seu melhor resultado um sétimo lugar. De acordo com a imprensa italiana, o Avellino e o Pro Vercelli, que é detentor de sete Campeonatos Italianos, estão na mira da Justiça e também correm sérios riscos de falirem.

Em decorrência de uma grave crise financeira, mais de 20 clubes italianos faliram nos últimos cinco anos. Entre eles estão Siena, Modena, Como e Messina.