Foi negada a transferência do bebê britânico, Chalie Gard para o Centro Pediátrico administrado pela Igreja Católica em Roma, pelo hospital Great Ormond Street, em Londres, onde o Gard está internado.

Na terça feira (4), a diretora do hospital na Itália, Mariella Enoc, disse apenas que o impedimento se deu por motivos legais e não entrou em detalhes. “O hospital nos disse que, por motivos legais, não pode transferir o menino até nós. Mais uma notícia triste”, declarou.

De acordo com Enoc,  Bambino Gesù permanece acompanhando o caso de Gard, ela ainda acrescentou que “A mãe de Charlie está muito determinada a lutar até o fim”.

O bebê que sofre de miopatia mitocondrial, doença incurável e rara que provoca uma perda progressiva de força muscular, vai ter seus aparelhos desligados por decisão da Corte Europeia de Direitos Humanos contra a vontade dos pais. Eles, Connie Yates e Chris Gard, queriam submeter o filho a um tratamento experimental nos Estados Unidos, haviam conseguido arrecadar 1,4 milhão de libraras para financiar a viagem e os cuidados, porém a Justiça inglesa mandou que os aparelhos do pequeno Gard fossem desligados. Essa decisão foi tomada atendendo a um pedido feito pelos médicos da criança que afirmam não ter cura para a doença e que querem uma morte digna para o menino.

Charlie nasceu com saúde, em agosto de 2016, mas desde o início começou a perder peso e força. O secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, declarou à imprensa que a Santa Sé fará “o possível” para superar os obstáculos legais que impedem a transferência do menino”.