Funcionários estão insatisfeitos com os investimentos feitos em apenas um jogador de futebol e questionam diferença de tratamento dado aos trabalhadores da multinacional e o clube de Turim

O sindicato dos trabalhadores da Fiat anunciou que entrará em greve por conta da contratação do astro português Cristiano Ronaldo pela Juventus. A concessionária italiana é uma das empresas patrocinadores do clube de Turim.

“Não é aceitável que os trabalhadores continuem a fazer enormes sacrifícios econômicos, enquanto a companhia (Juventus) gasta milhões de euros em um jogador. Eles dizem às famílias para apertarem cada vez mais o cinto e decidem investir tanto dinheiro num jogador. Acham isso justo? É normal uma pessoa ganhar milhões, enquanto milhares de famílias a meio do mês já não têm quase dinheiro? Somos todos empregados como o dono e esta diferença de tratamento não pode continuar. Os trabalhadores da Fiat deram uma fortuna aos patrões nas últimas três gerações, mas em compensação foram compensados com uma vida de miséria. A Fiat deveria investir em novos modelos que garantem o futuro de milhares de pessoas, do que enriquecerem apenas uma pessoa. Esse é que deveria ser o objetivo. A companhia deveria colocar os interesses dos seus empregados em primeiro lugar. Se isso não acontece, é porque eles preferem o mundo do futebol, entretenimento do que tudo o resto. Pelas razões descritas acima, o sindicato declarou uma greve na fábrica de Melfi entre as 22 horas de domingo de dia 15 de julho e as 18 horas de terça-feira dia 17 de julho”, revela o comunicado oficial do sindicato.

A Velha Senhora desembolsará cerca de 100 milhões de euros para contar com o jogador. De acordo com o site italiano “Football-Italia”, parte desse valor será financiado pela empresa Exor, que pertence a montadora de veículos e a mesma família do dono da Juventus Massimiliano Agnelli. A família Agnelli é dona da Juventus, da Fiat e de outras empresas relacionadas ao ramo automobilístico.

Esta não é a primeira vez que a patrocinadora investe dinheiro nas negociações da Juventus com jogadores. O argentino Higuaín também foi contratado graças aos recursos da Fiat. Na semana passada, quando a contratação de Cristiano Ronaldo ainda era uma especulação, a agência italiana “Dire” já mostrava que haviam funcionários insatisfeitos com o gasto milionário feito pela multinacional.

– Depois de Higuaín (contratado junto ao Napoli em 2016, por 94,7 milhões de euros), também Cristiano Ronaldo? É uma vergonha. Os trabalhadores não recebem aumento há 10 anos. O salário de Cristiano poderia dar 200 euros (R$ 917) de aumento para todos os funcionários da empresa. Já perdemos 10,7% devido a inflação na última década, algo que nunca foi reposto. E a empresa gasta 126 milhões de euros por ano com patrocínios, sendo 26,5 milhões só para a Juventus – reclama Gerado Giannone, funcionário da empresa há 18 anos.

Em nota, o clube de Turim informou que o contrato com CR7 tem duração de quatro anos. A Juve desembolsou 100 milhões de euros, pagáveis em dois anos, mais o mecanismo de solidariedade prevista pelos regulamentos da Fifa e encargos acessórios de € 12 milhões para contar com o craque.

(com informações do site A Bola e do GE)