Votação aconteceu durante a madrugada deste domingo (23)

O Senado da Itália aprovou a polêmica lei orçamentária durante a madrugada deste domingo (23). Com 167 votos favoráveis, 78 contrários e três abstenções, o texto da manobra econômica conseguiu a aprovação depois de muita discussão e confronto dentro do Senado.

Os opositores como o Partido Democrático (PD) e o Força Itália (FI) chegaram a abandonar a Comissão Orçamentária por conta dos erros presentes no texto final. O PD, do ex-premier Matteo Renzi, também prometeu levar o caso à Corte Suprema, alegando que o governo tinha violado normais na elaboração e apresentação da lei.

A coalizão do governo, formada pelo Movimento 5 Estrelas (M5S) e Liga Norte, corre contra o tempo para promulgar o Orçamento até 31 de dezembro.

O governo italiano negociava, há meses, o texto do Orçamento, com críticas da oposição e da União Europeia. O projeto para 2019 prevê medidas populistas que aumentam os gastos público – uma necessidade para alavancar a economia, segundo a Liga e o M5S, mas um “erro” do ponto de vista da UE -.

Os europeus de Bruxelas exigem que a Itália reduza seu déficit público, um dos mais altos do bloco. Depois de muita pressão, o governo italiano prometeu limitar a 2,04% do Produto Interno Bruno os gastos públicos.