O ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, conhecido pela política de linha dura contra a imigração, recebeu na quarta-feira (14), em Roma, um grupo de africanos evacuados da Líbia, como gesto de “generosidade”, enquanto centenas de imigrantes ilegais denunciavam as condições desumanas em que vivem na capital italiana

“Somos um país acolhedor, generoso e solidário, que me encomendou a tarefa de fixar algumas regras que garantam a ordem e a tranquilidade em frente a um fenômeno que saiu de nossas mãos há anos”, afirmou Salvini ao receber os imigrantes na pista do aeroporto militar de Pratica di Mare, perto de Roma.

O ministro, que aumentou sua popularidade com sua política contra os imigrantes, quis passar uma mensagem menos agressiva e xenófoba com relação à dada nos primeiros cinco meses no poder.

“A única forma de estas mulheres e crianças entrarem na Itália é um avião, não em lanchas que são pilotadas por criminosos que, em troca de traficar com seres humanos, compram armas”, assegurou.

Salvini deu pessoalmente as boas-vindas aos 51 refugiados e solicitantes de asilo, em sua maioria famílias ou mulheres solteiras com filhos, quase todos provenientes do Chifre da África (Etiópia, Eritreia e Somália) e do Sudão.

O grupo faz parte dos 2.300 imigrantes transferidos em dezembro pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) de Líbia ao Níger.

“Vão se tornar pequenos italianos”, comentou Salvini, ao falar dos programas para a integração que receberão.

(AFP)