Candidato a premier da Itália Matteo Salvini adota uma postura mais aberta a Moscou

O secretário federal da Liga, Matteo Salvini, prometeu nesta segunda-feira (2) derrubar as sanções econômicas contra a Rússia. Isto caso ele assuma o cargo de primeiro-ministro da Itália.

Em seu perfil no Twitter, o líder da ultradireita italiana afirmou que os bloqueios impostos pela União Europeia são danosos para as empresas do país. Tudo por conta da anexação da Crimeia e dos conflitos separatistas na Ucrânia.

—  Espero poder, em breve, no governo, acolher o apelo do presidente da federação das indústrias russa: acabar com essas absurdas sanções que estão causando um dano incalculável à economia italiana — escreveu Salvini.

O líder da Liga tem um discurso pró-Moscou e já até firmou um “acordo de cooperação” com o Rússia Unida. Partido este que dá sustentação ao regime de Vladimir Putin. Antes das eleições de 4 de março, o jornal espanhol “El País” denunciou que a “máquina russa de propaganda” patrocinara uma campanha de desinformação na Itália para beneficiar grupos populistas.

Essa atividade teria incluído a divulgação de notícias falsas sobre imigração para impulsionar a votação em partidos “radicais”. Como foi com a Liga, legenda mais votada dentro da coalizão de direita. E que venceu o pleito do mês passado, com 37% da preferência.

O resultado das urnas transformou Salvini em potencial primeiro-ministro. Ao lado de Luigi Di Maio, líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), que obteve 32% dos votos.

(com informações da Ansa)