O ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, afirmou hoje (13) esperar que a contratação de Cristiano Ronaldo pela Juventus, por 112 milhões de euros, não prejudique as outras empresas do grupo Agnelli

O astro português foi confirmado como o novo reforço da “Velha Senhora” na terça-feira (10), com um vínculo válido pelos próximos quatro anos com o clube “bianconero”. Além disso, segundo a imprensa italiana, CR7 irá receber um salário de 30 milhões de euros.

Em entrevista à rádio “RTL”, Salvini afirmou que, apesar dos altos valores de Cristiano Ronaldo, o dinheiro gasto foi uma “escolha” de uma “empresa privada”. Ele contou que está “torcendo” para que as cifras desembolsadas não comprometam outras companhias da família Agnelli. Além da Juventus, a família é acionista da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), onde já houve protestos contra a contratação do astro português.

“É uma escolha de uma empresa privada, é dinheiro privado. O importante é que esse dinheiro não prejudique as outras empresas familiares. Eu lido com dinheiro público e me comprometo a reduzir os 5 bilhões [de euros] que são gastos a cada ano com a imigração”, afirmou Salvini.

“Como um milanista só posso me roer, o nosso mercado de transferência está sendo muito menor. Os torcedores da Juventus ficarão felizes, temo que a Juventus conseguirá vencer a Série A por mais dois ou três anos”, acrescentou.

A chegada de Cristiano Ronaldo provocou em Turim e em toda a Itália uma “Ronaldomania”. O craque já virou sabor de sorvete e brioche, e uma camisa sua é vendida por minuto nas lojas da Juventus.

(Agência ANSA)