Enquanto o montanhoso extremo-norte da Itália sofre com nevascas e riscos de avalanche, a capital do país, Roma, enfrenta seu inverno mais quente em quase um século

Segundo a estação meteorológica Collegio Romano, responsável pelas medições no centro histórico da “cidade eterna”, a madrugada desta última terça-feira (9) teve temperatura mínima de 15,4ºC, o maior valor para os primeiros 10 dias de janeiro desde 1920.

“Um verdadeiro recorde que não ocorria há quase um século”, explica a meteorologista Franca Mangianti. De acordo com ela, essa temperatura mínima é típica do fim de maio, quando a Itália está no último mês de primavera.

Já na segunda-feira passada (8), Roma registrou a temperatura máxima de 19,9ºC, recorde para os primeiros 10 dias de janeiro.

A maior marca anterior era de 19,7ºC, de 1931. (ANSA)