Com o objetivo de controlar o trânsito local para evitar incidentes devido ao grande número de visitantes, a famosa Fontana di Trevi passa a ter o seu fluxo de turistas controlado.

A partir desta terça-feira (25), duas associações de voluntariado da capital italiana começaram a atuar na fonte, das 9h à meia noite (horário local), sob a supervisão de policiais e guardas municipais aposentados. Em primeira instância, a medida durará 80 dias e, caso seja considerada positiva, será implantada permanentemente.

Esclarecimento da Prefeitura de Roma

De acordo com a Prefeitura de Roma, o controle vai evitar aglomerações e “eventuais comportamentos incompatíveis com a fruição do monumento”.

“Controlaremos, por exemplo, os turistas que quiserem comer próximo ao monumento ou mandaremos levantar quem senta na borda da fonte”, informou o comandante da Polícia municipal, Diego Porta. Ele ainda explicou que, em caso de alto fluxo de pessoas, eles começarão a agilizar a passagem.

“Desta maneira, garantiremos que todos possam ter a melhor fruição do momento. Os turistas poderão jogar a moedinha, tirar uma foto de recordação e depois deverão deixar espaço para outros. Um pouco como acontece no Museu do Louvre perante o quadro da Mona Lisa de Leonardo Da Vinci”, completou Porta.

Motivo

O projeto na Fontana di Trevi é uma complementação de uma ordem executiva assinada pela prefeita, Virginia Raggi, em 12 de junho.

Na medida, uma série de restrições e proibições atingem as principais fontes da “cidade eterna”, como o veto ao consumo de alimentos ou o lançamento de objetos no local, bem como a proibição de banhos nas estruturas.

A única exceção é a permissão do lançamento de moedas na Fontana di Trevi, uma tradição local praticada por turistas e italianos há dezenas de anos.