Furto e controverso são algumas das palavras usadas nas capas dos principais diários esportivos para definir a eliminação decidida com pênalti aos 48 minutos do segundo tempo

As capas dos jornais italianos desta quinta-feira resumiram em suas manchetes o clima que tomou conta do país desde a noite da véspera diante da eliminação da Juventus pelo Real Madrid nas quartas de final da Liga dos Campeões. A “Gazzetta dello Sport” definiu em dois sentimentos: “Raiva e orgulho”. Classificou a equipe alvinegra como “furibunda”.

O “Corriere dello Sport” tomou posição diante da marcação do pênalti sobre Lucas Vázquez aos 48 minutos do segundo tempo: “Que furto!”, afirmando que a falta foi inexistente. Uma coluna de opinião na capa exige um “basta com o tiro ao alvo sobre os nossos”. Lembrou da classificação da Roma contra o Barcelona a despeito de erros da arbitragem nas duas partidas, afirmou que não foi dado um pênalti em Cuadrado no jogo de ida, em Turim, e que Benatia foi na bola no lance que determinou a eliminação da Juve.

O “Tuttosport” exclamou: “Assim não!”. O jornal adjetivou a Juve como imensa e extraordinária e foi mais comedido em relação à marcação do pênalti, definido como “controverso”. O diário também abriu espaço para opinião na capa, de seu enviado a Madri. Guido Vaciago resume no título de seu texto que o time foi “superior até aos fenômenos”. (GE)