A cidade de Turim tem sido alvo de protestos contra a cúpula de ministros do G7, na Itália

De acordo com a Ansa, uma pessoa foi presa, após um grupo de manifestantes, em sua maioria estudantes, terem entrado em confronto com a polícia.

A confusão aconteceu porque  os jovens  mudaram a direção do protesto, indo em direção à piazza Carlina, lugar onde os ministros que participam do G7 estão hospedados.

Segundo fontes locais, um menor de idade foi preso. Horas depois da manifestação ter sido contida, os jovens invadiram o edifício Palazzo Nuovo, anunciando que o local, que é da Universidade dos Estudos de Turim, como a dese do grupo para os protestos.

De acordo com a Ansa, o grupo usou “hoje, Turim é só nossa” e “vamos onde quisermos”, como slogan da manifestação, além de gritarem frases contra o ministro do trabalho, Giuliano Poletti.

Segundo a Ansa, os protestos devem durar três dias. Cerca de centenas de pessoas caminharam do bairro de San Salvario até a zona Vanchiglia.

Os jovens lançaram ovos contra o prédio da Confederação Italiana de Sindicatos Trabalhistas (CISL) e a sede da Fundação A gnelli.

Justificando como uma ação simbólica “contra a exploração de trabalhadores por multinacionais”, os manifestantes fecharam uma das lojas do Carrefour .

No momento, é a Itália que preside o G7, temporariamente.