Votação do projeto de lei no Senado italiano seria neste sábado, mas foi cancelada

O projeto de lei para aprovação do jus soli (direito de território) na legislação italiana foi prorrogado para 2018.

O texto havia sido agendado para ser análise neste sábado (23), porém com a falta de quórum, foi adiado.

A decisão foi tomada pelo presidente da Casa, Pietro Grasso.

Segundo a Ansa, estava decidido que a análise ocorreria após a votação da Lei Orçamentária para 2018.

O senador Roberto Calderoli do Liga Norte, fez um pedido ao presidente da Casa, que não teve sucesso.

Grasso tentou realizar a votação, mais não havia parlamentares suficientes para a realização do quórum.

O ‘Jus soli’ é um projeto do Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, que altera a concessão da cidadania.

O chefe do Senado reagendou a análise para nove de janeiro.

Porém, de acordo com a Ansa, há uma expectativa de dissolução do Parlamento por Mattarella.

Novas eleições seriam convocadas para março de 2018, assim o projeto ficaria para a próxima legislatura.

“Devia ser um gesto de civilidade, mas, pelo contrário, se encerra no modo mais incivil possível. O jus soli não será aprovado, chega de hipocrisias eleitorais”, atacou o porta-voz do Unicef no país, Andrea Iacomini.