Giuseppe Conte quer criar mecanismo de “gestão compartilhada”

(ANSA) – O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, enviou uma carta aos presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk, pedindo a criação de uma “célula de crise” para lidar com a emergência migratória no Mediterrâneo.

O documento foi mandado na última terça-feira (17) e ressalta que é “essencial” montar “imediatamente” um “mecanismo de gestão rápida e compartilhada dos vários aspectos relativos às operações de busca e resgate” no mar.

O objetivo dessa unidade de crise seria “coordenar as ações” dos Estados-membros e dividir o peso do primeiro acolhimento a deslocados externos. Na prática, a Itália não quer mais receber todas as pessoas resgatadas no Mediterrâneo Central nem ser responsável por todas as operações de socorro na região.
“Minha sugestão é que tal mecanismo seja coordenado pela Comissão Europeia”, escreveu Conte. “Compartilhamos do senso de urgência da Itália e estamos empenhados e determinados em dar sequência às conclusões do Conselho Europeu”, respondeu uma porta-voz da Comissão Europeia.
Além disso, o poder Executivo da UE acrescentou que está “trabalhando em um mecanismo provisório que possa ser implantado rapidamente para coordenar os desembarques durante o verão”.
Desde o início do ano, 17,8 mil deslocados externos desembarcaram na Itália, número que representa uma queda de mais de 80% em relação ao mesmo período de 2017. Ainda assim, cada navio que resgata pessoas no Mediterrâneo tem se tornado motivo de crise na União Europeia.