Chiara Appendino foi convocada pela Procuradoria de Turim para depor sobre a festa da Juventus em junho

A prefeita de Turim irá depor no caso que investiga o caos que ocorreu durante a festa da Juventus que feriu 1,5 mil pessoas e matou uma mulher.

“Fui notificada pela Procuradoria de Turim para depor sobre os fatos na praça San Carlo. Oferecerei como sempre a máxima colaboração aos investigadores porque é de interesse de todos os cidadãos que sejam reconstruídos os fatos e definidas as responsabilidade de cada um”, informou em nota a Prefeitura.

Além da prefeita, outras pessoas foram chamados:

O ex-chefe de gabinete da prefeita, Paolo  Giordana; a dirigente comunal, Chiara Bobbio; o chefe de gabinete da delegacia, Michele Mollo; o comissário de polícia, Angelo Bonzano.

O presidente da Turismo Torino, entidade que gere o turismo na cidade e era responsável pela organização da festa, Maurizio Montagnese; e o diretor da Turismo Torino, Danilo Bessone, também foram convocados a depor.

Todos os nomes citados estão sob investigação, segundo a Ansa, por lesão e homicídio culposo.

De acordo com a Ansa, testemunhas contaram que após ouvirem barulhos que pareciam bombas, a multidão entrou em pânico.

Mas na verdade, se parece que a queda de uma grade ou o uso de fogos de artifício tenham sido os responsáveis pelo barulho.

As milhares de vítimas  foram pisoteadas no meio da multidão.

Erika Pioletti, 38 anos, faleceu já no hospital, após ficar alguns dias internada.

Segundo a Ansa, a italiana sofreu um ataque cardíaco, além de também ter sido pisoteada.