O malinês Soumayla Sacko foi morto por furtar chapas de metal

(ANSA) – A polícia da Itália prendeu nesta quarta-feira (6) o principal suspeito de ter assassinado a tiros no último domingo (3) um imigrante malinês na cidade de San Calogero, na região da Calábria, sul do país.

O homem, chamado Antonio Pontoriero, de 43 anos, já estava sendo investigado pelas autoridades, e sua detenção foi pedida pelo Ministério Público italiano. Ele é acusado de assassinato e porte ilegal de armas.

O malinês Soumayla Sacko, de 29 anos, e outros dois imigrantes foram flagrados por Pontoriero furtando chapas de metal para construção de barracos em um galpão abandonado. Eles foram abordados pelo italiano, que estava armado com um fuzil e disparou quatro vezes. Uma das balas atingiu e matou Sacko.

De acordo com a investigação, o assassinato foi uma vingança pelo roubo das chapas de metal. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) condenou o crime e pediu “maior proteção à dignidade dos seres humanos” e a recuperação dos abrigos “improvisados” onde vivem os imigrantes.

O caso ocorre no momento em que o tema da imigração voltou à tona na Itália, com a posse do governo de aliança entre a nacionalista Liga e o antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S).