As autoridades italianas prenderam nesta quinta-feira (19) 22 pessoas acusadas de terem ligação com o clã do líder da máfia siciliana Cosa Nostra, Matteo Messina Denaro

A operação foi conduzida pela Direção Distrital Antimáfia (DDA) de Palermo contra supostos membros das famílias mafiosas de Castelvetrano, Campobello di Mazara e Partanna, além de parentes de Denaro.

“Trata-se de uma ampla operação que tem como objetivo capturar o fugitivo Matteo Messina Denaro e enfraquecer os circuitos criminais e econômicos da organização que lidera”, explicou a polícia italiana em um comunicado oficial.

Todos os suspeitos foram indiciados por extorsão, uso ilegal de armas, associação mafiosa, danos e títulos fictícios de ativos.

De acordo com os agentes, o grupo era encarregado de distribuir as ordens de Denaro, fugitivo há 25 anos, por meio dos “pizzini”, pequenas mensagens codificadas.

A polícia ainda analisou uma conversa gravada entre os mafiosos, na qual é expressado o desejo de construir duas estátua em homenagem ao líder mafioso e a seu pai Francesco, morto em 1998.

Matteo Messina Denaro, de 56 anos, é procurado desde 1993 pelo assassinato de várias pessoas. Ele considerado o substituto dos principais mafiosos da Itália, como Toto Riina.

(Agência ANSA)