Autoridades cumpriram cerca de 14 mandados de prisão

(ANSA)

As autoridades da Itália cumprem nesta quinta-feira (10) 14 mandados de prisão em diversas regiões do país contra uma rede acusada de financiar e apoiar terroristas de grupos jihadistas na Síria.

A megaoperação antiterrorismo é coordenada pelo promotor nacional antimáfia e foi desencadeada depois de duas investigações conduzidas pela Guarda de Finanças (GdF).

Segundo os dados, as células eram ligadas ao grupo Al-Nusra, que atua na Síria. Na operação, a GdF também descobriu que a organização criminosa era composta por 10 sírios responsáveis por prestarem serviços em vários países da Europa, como Itália, Suécia, Hungria e Turquia, para levantar fundos com o intuito de financiar os terroristas.

Além disso, o inquérito apurou que o arrecadamento de verba seria feito dentro das comunidades islâmicas para depois ser enviado ao território sírio. Todos são acusados de associação e financiamento terrorista e mediação financeira ilegal.

Já na cidade de Sassari, na Sardenha, as autoridades prenderam quatro pessoas, entre marroquinos e sírios, acusadas de integrarem a frente Jabhat, célula da rede Al-Nusra. Outras prisões foram efetuadas nas cidades de Olbia e Bolonha, nas regiões sul e norte da península, respectivamente.

A Itália é o único dos cinco principais países da Europa Ocidental ainda imune a atentados do grupo jihadista, ao contrário de Reino Unido, França, Alemanha e Espanha.