A Guarda de Finanças da Itália entregou ao Ministério Público de Gênova um elenco de 13 pessoas que podem ter tido responsabilidade no desabamento da Ponte Morandi, que deixou 43 mortos

Os suspeitos trabalharam em um projeto de renovação da estrutura em 2015, mas o número pode subir para 25, caso os investigadores decidam retroceder alguns anos no tempo. Em uma conclusão preliminar, peritos atribuíram a queda a um “colapso estrutural” no nono pilar da ponte.

O desabamento ocorreu no último dia 14 de agosto, e o governo culpa a concessionária Autostrade per l’Italia pela tragédia. Na última terça-feira (4), cerca de 50 desalojados pela queda participaram de uma sessão do Conselho Regional da Ligúria e cobraram “respeito”.

“Nós viemos antes das empresas, antes da viabilidade, queremos nossas casas”, disse um deles. Parte da estrutura da ponte permanece de pé, mas ameaça cair sobre um complexo de edifícios residenciais que foi esvaziado. Desde então, mais de 600 desalojados vivem em moradias temporárias.

Em até cinco dias, a Autostrada deve apresentar um plano definitivo para a demolição do que restou da Ponte Morandi.

(Agência ANSA)