No Dia Mundial da Alimentação, comemorado hoje, 16 de outubro, o papa Francisco fez uma crítica implícita aos Estados Unidos pelo descumprimento do Acordo Climático de Paris. Em um discurso na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em Roma, o líder católico afirmou que abandonar o tratado contra o aquecimento global é um “desastre” do ponto de vista do combate a fome, já que as mudanças climáticas afetam diretamente a produção de alimentos no mundo.

Discurso do Pontífice

“Todos os dias, vemos as consequências das mudanças climáticas: graças ao conhecimento científico, sabemos como enfrentar os problemas, e a comunidade internacional também elaborou instrumentos jurídicos necessários, como o Acordo Climático de Paris, do qual, por desgraça, alguns países têm se afastado”, afirmo o líder da Igreja Católica na FAO, que tem como diretor-geral o brasileiro Jose Graziano da Silva.

Trump contra o Acordo de Paris

Desde que assumiu a Presidência dos Estados Unidos o magnata republicano Donald Trump tem criticado o Acordo, considerado o maior tratado já alcançado contra o aquecimento global. Segundo ele, as regras ambientais comprometem o desenvolvimento da economia norte-americana. Já o Papa é um defensor do meio ambiente e crítica a exploração de recursos naturais para fins comerciais. O argentino Jorge Mario Bergoglio já fez vários apelos para que os governos e as empresas tenham um comprometimento maior com a preservação ambiental.

Em discurso na FAO, Francisco também fez um apelo por um pacto mundial para as migrações, diante da crise imigratória enfrentada por vários países e gerada por conflitos de guerra. “São evidentes as ligações entre os conflitos armados, as mudanças climáticas e o subdesenvolvimento, os quais fazem as pessoas abandonarem seus países e procurarem um futuro diferente. É claro que as guerras e as mudanças climáticas provocam a fome”, comentou. (ANSA)