As “Obras de Defesa Venezianas entre os séculos 16 e 17” estraram na lista dos Patrimônios da Humanidade da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) hoje (9).

O pedido de reconhecimento foi realizado em janeiro de 2016 . O sítio das obras  se estende entre a região da Lombardia e uma parte da Costa do Mar Adriático, informa a Unesco que tomou essa decisão na 41º sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, na Polônia.

 

“As fortificações terrestres do ‘Stato da Terra’ defendiam a área noroeste da Sereníssima República de Veneza, enquanto que a parte naval do ‘Stato da Mar’ protegia os portos e as rotas marítimas que iam do Adriático até o Levante. Eles eram necessários para apoiar a expansão e a autoridade da Sereníssima”, descreve ainda a entidade sobre a complexa obra.

“Um importante resultado que confirma o forte e plural compromisso da Itália na atuação da Convenção do Patrimônio Mundial da Unesco. Uma obra preciosa que permite ao nosso país manter o primeiro lugar no número de sítios inscritos na Lista e exercer um notável papel na diplomacia cultural no contexto internacional”, disse o ministro italiano para os Bens Culturais, Dario Franceschini.

Quem também comentou a vitória italiana foi o ministro do Interior, Angelino Alfano. “O resultado hoje é fruto do grande esforço diplomático da Farnesina [Chancelaria], unido à competência técnica dos especialistas do Ministério do Meio-Ambiente e dos consultores da Universidade de Tuscia presentes em Cracóvia. Foi um grande trabalho de time”, acrescentou Alfano.