Alfonso Bonafede fez elogios ao discurso de posse do brasileiro

O ministro da Justiça da Itália, Alfonso Bonafede, convidou o agora ministro brasileiro Sérgio Moro para visitar Roma e debater “as bases da cooperação judiciária bilateral entre os dois países”.

Pelo seu perfil no Facebook, Bonafede, do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), elogiou o discurso de posse de Moro no Ministério da Justiça e da Segurança Pública, onde ele citou os “juízes heróis” Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, assassinados pela Cosa Nostra em 1992.

“Senti verdadeiramente uma grande emoção ao ouvir Sérgio Moro, novo ministro da Justiça do Brasil, pronunciar os nomes de Giovanni Falcone e Paolo Borsellino”, escreveu Bonafede, citando trechos do discurso do ex-ministro.

“Por isso, ontem [4] assinei uma carta endereçada ao ministro brasileiro e na qual – além de manifestar-lhe estima e apreço – o convido a Roma para colocar as bases do reforço da cooperação judiciária bilateral entre nossos dois países, por meio de uma troca de ideias e de um debate entre nossas experiências, e para iniciar uma colaboração mais geral sobre todos os temas da justiça”, acrescentou o italiano.

Em seu discurso de posse, Moro citou a Itália como exemplo de combate ao crime organizado, tema este que foi colocado como um de seus principais desafios no cargo.

“O remédio é universal, embora nem sempre de fácil implementação: prisão dos membros, isolamento carcerário das lideranças, identificação da estrutura e confisco de seus bens. Na Itália, a aura de invencibilidade da Cosa Nostra siciliana foi quebrada graças aos esforços conjuntos da polícia, do Ministério Público e de magistrados, entre eles os juízes heróis Giovanni Falcone e Paolo Borsellino”, afirmou Moro.

Bonafede, por sua vez, disse ter sentido um “arrepio” com essa passagem do pronunciamento de Moro. “A Itália valorizou seu trágico passado fazendo uma legislação que o ministro da Justiça brasileiro, do outro lado do mundo, indicou como ‘remédio universal’”, ressaltou.

Essa visão, no entanto, pode não ser unânime dentro do Movimento 5 Estrelas, hoje o partido com a maior bancada no Parlamento da Itália. Em abril passado, o fundador da legenda antissistema, Beppe Grillo, publicou em seu blog um texto com o título “Lula vale a luta”, no qual afirma que Moro condenou o ex-presidente para tirá-lo das eleições de 2018.