Vídeo pelo 80º aniversário do recordista de gols em uma edição da antiga versão da Champions começa com brasileiro cidadão italiano vestido com a camisa da Seleção

(GE) – Cultuar seus heróis é obrigação de qualquer clube que preza pela história da instituição. Nesta terça-feira, o Milan postou uma homenagem a José Altafini, o nosso Mazzola, brasileiro que completa 80 anos de nascimento em Piracicaba, São Paulo, e cidadão italiano desde a juventude. Um vídeo começa com o ex-meia-atacante vestido com a camisa da Seleção, antes de aparecerem uma sequência de gols seus pelo rossonero.

– Altafini, 1960: “Obrigado ao Milan, mudou minha vida”
As suas palavras e tantos gols permanecem ainda nos corações de cada rubro-negro, José, porque, graças a você nossa história mudou. Muitas felicidades!
#FelizAniversário para o integrante de nosso Hall da Fama e campeão absoluto, José Altafini

Mazzola chegou ao Milan aos 20 anos, pouco depois de ser revelado no Palmeiras e conquistar o título da Copa de 1958 pela seleção brasileira. Começou o torneio como titular, fez dois gols na estreia contra a Áustria, inclusive, mas, no terceiro jogo, um certo Pelé ganhou sua vaga para entrar na história como Rei do Futebol.

Em sua primeira temporada rubro-negra, fez 28 gols em 32 partidas, sendo campeão italiano. Seguiu balançando a rede e encantando no país, até marcar 22 vezes em 33 aparições na campanha do título Série A em 1962.

Como na época a convocação de brasileiros que jogavam no exterior era um tanto quanto polêmica, e não existiam regras impeditivas como hoje em dia para a defesa de mais de uma seleção, Mazzola começou a jogar pelo país de seus avós em 1961. Foi para a Copa do Chile vestido de Azzurra, passou em branco e se despediu na primeira fase, depois de um empate, uma derrota e apenas uma vitória.

Mas a temporada seguinte reservou outra conquista importante com destaque. Foi o artilheiro da campanha do primeiro título europeu do Milan. Com os dois gols na final da Copa dos Campeões, vencida de virada por 2 a 1 contra o Benfica, de Eusébio, chegou a 14 no total, recorde de uma edição do torneio que só seria igualado na nova versão da Champions por Messi e Cristiano Ronaldo, com o português superando a marca em 2013/14, com 17.

Saiu do Milan em 1965 para o Napoli com 161 gols em 246 partidas vestindo rubro-negro. Não teve muito sucesso no sul da Itália, mas voltou ao norte, na Juventus, clube pelo qual conquistou mais dois títulos da Série A, em 1973 e 1975, depois dos 35 anos de idade. Ainda defendeu Chiasso e Mendrisio, na Suíça, antes de se aposentar em 1980, com 42 anos.

Fifa e Palmeiras também prestam suas homenagens

Um pouco mais tarde, o Museu da Fifa e o Palmeiras fizeram posts para marcar a data:

– Hoje, José Altafini celebra seu 80º aniversário. Mazzola ganhou a Copa do Mundo de 1958 pelo seu país de origem, mas também defendeu a Itália no torneio de 1962. Ele é o mais velho vencedor da Copa do Mundo em nossa parede dos campeões – escreveu a Fifa.

O Palmeiras chamou Mazzola de “uma das maiores Crias da Academia”.