Mesmo em meio a tempestades que já deixaram onze mortos no país, moradores e turistas tentam seguir com suas rotinas

A onda de mau tempo que atinge a Itália desde o último domingo (28) causou a morte de onze pessoas até momento, de acordo com o jornal “Repubblica”. Em Veneza, famosa por seus canais, as autoridades dizem que 75% da cidade está debaixo d’água.

 

Casal caminha pela Praça São Marcos alagada, em Veneza, na segunda-feira (29)

Mulher carrega criança pela Praça São Marcos alagada, em Veneza, na segunda-feira (29)

A praça São Marcos, famoso ponto turístico, fechou na segunda-feira à tarde, logo após as águas alcançarem o patamar de “águas altas”, de 1,56 m.

É o quarto nível mais alto registrado em toda a história da cidade

Pessoas andam pela Praça São Marcos alagada, em Veneza, na segunda-feira (29)

Os ventos da tempestade que inundaram Veneza alcançaram 180 km/h. Mesmo com todas as dificuldades, muitos turistas e moradores locais tentam seguir com suas vidas, como em dias normais.

Algumas pessoas decidiram andar pelas plataformas de madeira que são instaladas quando há inundações.

Turistas caminham por pontes de madeira instaladas em ruas alagadas perto da Ponte Rialto, em Veneza, na segunda-feira (29)

Outros, incluindo turistas, calçaram botas e tiraram os sapatos para circular pelas ruas.

Turistas caminham sob os arcos da Praça São Marcos alagada, em Veneza, na segunda-feira (29)

Os comerciantes se esforçaram para manter a água longe de suas mercadorias.

Mulher retira água de loja em rua alagada de Veneza, na segunda-feira (29)

Agora que Veneza, e toda a região mais ampla de Vêneto, estão em alerta vermelho, os moradores foram alertados para interrupções no transporte público e problemas de infraestrutura.

Homem tenta proteger loja de água em rua alagada de Veneza, na segunda-feira (29)

Metereologistas alertam que o mau tempo deve continuar nos próximos dias.

(G1)