Ansa

O secretário do partido ultranacionalista Liga, Matteo Salvini, possível futuro primeiro-ministro da Itália, elogiou nesta sexta-feira (6) a ordem de prisão contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

“12 anos [de cadeia] a Lula por corrupção e lavagem de dinheiro. A Justiça brasileira deu um forte sinal de liberdade e mudança”, declarou Salvini, que lidera a coalizão mais votada nas eleições de 4 de março.

Além disso, o secretário da Liga ainda lembrou do caso Cesare Battisti, ex-guerrilheiro italiano que ganhou o direito de viver no Brasil graças a uma decisão de Lula tomada no último dia de seu segundo mandato.

“Neste momento, não há mais nenhum obstáculo para a extradição de Cesare Battisti”, acrescentou. Salvini é o primeiro entre as principais lideranças políticas da atualidade na Itália a se pronunciar sobre a ordem de prisão contra Lula.

Na última quinta-feira (5), um grupo de expoentes de esquerda, incluindo os ex-primeiros-ministros Massimo D’Alema e Romano Prodi, havia assinado um manifesto em defesa do ex-presidente do Brasil, mas nenhum deles exerce posição de destaque nos dias de hoje.

A aliança conservadora liderada por Salvini, que ainda inclui o partido de Silvio Berlusconi, conquistou 42% dos assentos no Parlamento e tenta construir uma maioria para conseguir governar. A Liga foi a mais votada dentro dessa aliança, porém também é cortejada pelo antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), que tem cerca de 35% dos assentos na Câmara e no Senado.