Em Veneza, uma incomum maré baixa esvaziou os canais, para frustração dos turistas que foram curtir o também famoso carnaval da “Sereníssima” cidade italiana

O fenômeno tornou impossível até mesmo a navegação das famosas gôndolas pela cidade, que ficaram encalhadas na lama.

Este é o segundo ano consecutivo em que a cidade tem níveis de maré historicamente baixos. Diante disso, as autoridades locais decidiram que o Grande Canal, o principal corredor de trânsito de Veneza, permaneceria aberto mesmo para barcos coletivos, que agora não podem transitar pelos canais menores.

Histórico dos canais

Veneza está mais acostumada a inundações do que à falta d’água, entretanto, esta não é a primeira vez que isso acontece. Em 2016, os níveis de água caíram 66 centímetros abaixo do nível normal, e em 1989 e 2008, 90 centímetros.

Desta vez, a maré excepcionalmente baixa poderia ser uma consequência, de acordo com a imprensa italiana, do fenômeno astronômico conhecido como superlua azul de sangue.

No entanto, afirmam, o problema também tem a ver com a negligência com que as autoridades realizam a manutenção do centro histórico.

Segundo o jornal local “La Nuova di Venezia”, o principal inconveniente para os moradores não é tanto o cheiro que emana da lama dos canais, mas sim os problemas de segurança numa cidade onde todo o tráfego é pela água, como o de veículos de emergência, hidroambulâncias e também de bombeiros.

O episódio acontece em meio ao carnaval. No último domingo (4), ocorreu o famoso “voo do Anjo”, uma das principais atrações das festas. A cidade previu cerca de 70 mil pessoas nos arredores na praça San Marco para acompanhar o evento. (G1)