O candidato do Movimento Cinco Estrelas (M5S) a primeiro-ministro da Itália, Luigi Di Maio, pediu nesta segunda-feira ao líder da Liga Norte, Matteo Salvini, apoio para solicitar ao presidente do país, Sergio Mattarella, a convocação de novas eleições gerais em junho deste ano

Di Maio publicou um vídeo nas redes sociais criticando os partidos por não serem capazes de chegar a um acordo para formar um governo após o pleito realizado no último dia 4 de março.

“É vergonhoso como todos os partidos estão pensando em seus próprios interesses”, disse Di Maio, criticando também o fato de as legendas preferirem negociar cargos no futuro governo em vez de debater propostas.

O M5S disse nas últimas semanas que só apoiará um governo com Di Maio como primeiro-ministro e propôs dois governos alternativos, um com a Liga Norte, que deveria romper a aliança com o Forza Itália, de Silvio Berlusconi, ou com o Partido Democrático (PD).

Salvini manteve o compromisso de preservar a coalizão liderada pela Liga Norte. O PD se dividiu entre os que negam qualquer negociação com o M5S e os que pedem para analisar a hipótese.

O PD realizará na quinta-feira uma reunião para analisar se haverá diálogo com o M5S, mas o ex-secretário-geral do partido e ex-primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, já antecipou que é contrário a qualquer aliança com Di Maio.

Di Maio criticou Salvini por manter-se fiel a Berlusconi, acusando o ex-primeiro-ministro de “bloquear o país durante 20 anos para defender seus interesses”, e Renzi por ter optado atacar o M5S, “dilapidando qualquer hipótese de governo”.

Na avaliação do líder do M5S, ambos estão tentando “impedir um governo da mudança” liderado por seu partido.

“Para mim não há outra solução, é necessário repetir as eleições o mais rápido possível, mas Mattarella é quem decide. (…) Peço a Salvini: vamos juntos pedir a repetição das eleições”, disse.

Na eleição de março, a coalizão liderada pela Liga Norte obteve 37% dos votos. O M5S foi o partido mais votado, com 32,7%. (Exame)