Partido apresentou uma lista de quem formaria seu governo, em caso de eleição

O Movimento 5 Estrelas (M5S) anunciou nesta quinta-feira (2) mais uma lista com os nomes de seus ministros em caso de vitória do partido nas eleições do dia 4 de março e também se for convocado pelo presidente italiano, Sergio Mattarella, a construir um novo governo.

Dentre os nomes, destaque para Andrea Roventini, professor da Escola de Estudos Avançados de Sant’Anna, indicado para o Ministério da Economia. “Roventini tem a idade de (Emmanuel) Macron, mas já escreveu com um Prêmio Nobel que é (Joseph) Stiglitz. Com ele vamos voltar a fazer política expansiva”, comentou o deputado Di Maio.

Além de Roventini, Di Maio também indicou o deputado Alfonso Bonafede para o Ministério da Justiça, enquanto a advogada Elisabetta Trenta representará à Defesa. O deputado do M5S Riccardo Fraccaro será ministro das Relações com o Parlamento. Já a professora Emanuela Del Re foi escolhida para a pasta das Relações Exteriores e a educadora Paola Giannetakis ficará responsável pelo Ministério do Interior. Salvatore Giuliano e Armando Bertolazzi foram indicados pelo M5S para os Ministérios da Educação e da Saúde, respectivamente.

“Estes não são meus ministros, são pessoas que pertencem a todos, que colocaram seus rostos sem paraquedas e por puro espírito de serviço em direção ao país”, esclareceu o líder do partido antissistema.

De toda a lista anunciada pelo partido, seis nomes já haviam sido apresentados na última quarta-feira (28), como é o caso de Domenico Fioravanti, bicampeão olímpico de natação em Sydney, em 2000, indicado para a pasta do Esporte; o economista Lorenzo Fioramonti para o Desenvolvimento Econômico; o general Sergio Costa para o Meio Ambiente; Pasquale Tridico para o Trabalho; Giuseppe Conte para Administração Pública; e Alessandra Pace para a Agricultura.

“Hoje estabelecemos uma nova referência para os ministérios, será difícil substituí-los com homens do partido”, afirmou Di Maio.