Claudia

ClaudiaMonteiroDeCastro1Antica Dolceria Bonajuto
É sabido o poder do chocolate em influenciar o bom humor das pessoas. Quem for visitar a Sicília, pode levantar a moral visitando a graciosa cidadezinha barroca chamada Módica. Lá fica uma famosa doceria fundada em 1880, conhecida por suas barras em diversas versões, muitas feitas com especiarias. O chocolate de Módica é artesanal e, portanto, mais granuloso e puro. Cura certeira para qualquer desânimo!

 

 

 

 

ClaudiaMonteiroDeCastro2Roma vale bem uma fila
Já antes de decidir morar em Roma, em 2002, eu tinha vindo para a cidade três vezes como turista. Sempre que vim, cumpri as etapas obrigatórias, que incluem, entre outras, a visita ao Coliseu, ao Museu do Vaticano e à Basílica de São Pietro, tirar uma foto com a mão na Bocca della Verità e jogar uma moedinha na Fontana di Trevi.
Hoje, ao morar na cidade e revisitar alguns lugares com amigos ou com meus filhos, percebo como a cidade, a cada ano, ganha uma leva ainda maior de turistas. Se no passado viajar era para poucos, hoje ficou acessível para muitos. É justo que mais pessoas possam viajar.
O duro é aguentar as filas. Tem fila para tudo. A começar pelo Museu do Vaticano. Esta, até dá para evitar, reservando no site do Vaticano e pagando mais. Mas não tem como ver Roma sem evitar filas: para entrar na Basílica de São Pedro, para entrar no Coliseu ou no Palatino.
O que me deixou de queixo caído foi quando estive com meus filhos na Bocca della Verità, na entrada da igreja de Santa Maria in Cosmedin. Lembro bem de quando eu vinha como turista: era só chegar e tirar a foto com a mão dentro da boca; não havia ninguém. Hoje, você tem que fazer fila de meia hora para tirar a foto com a famosa boca.      
Fiquei chocada em ver que até um lugar que antigamente quase ninguém conhecia, na Piazza Cavalieri di Malta, onde tem um portão com um buraco de fechadura, agora tem fila. Era um dos segredos de Roma. Olhar por aquele buraco e ver a Basílica de São Pedro emoldurada por árvores. Pois é.
É bom viajar. Mas, para ser turista neste século, é preciso sofrer um bocado!