Segundo a publicação do “Corriere della Sera”, especialistas destacaram que Davide Astori poderia ter sido salvo se estivesse acompanhado no quarto da concentração

O zagueiro Davide Astori, encontrado sem vida no início de março, na concentração da Fiorentina, não morreu dormindo, decorrente de uma bradicardia (quando o ritmo cardíaco é irregular ou lento) como havia sido divulgado anteriormente, segundo o diário Corriere della Sera.

De acordo com a publicação, uma perícia feita pelos professores italianos Carlo Moreschi e Gaetano Thiene, o ex-jogador da seleção italiana pode ter sido vítima de uma taquicardia – quando há um aumento da frequência cardíaca. De acordo com os especialistas, é provável que o zagueiro tenha acordado com a aceleração dos batimentos cardíacos e, se estivesse acompanhado no quarto do hotel, uma equipe médica poderia ter sido acionada e salvo a vida do jogador.

O zagueiro de 31 anos estava em um hotel em Udine, cidade onde a equipe de Florença enfrentaria a Udinese pelo Campeonato Italiano quando foi encontrado morto no quarto. Astori teve 14 convocações e marcou um gol pela seleção italiana.

(com informações do GE)