País quer ocupar assento durante triênio 2019-2021

(ANSA) – A Itália se candidatou a um assento no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas para o triênio 2019-2021.

As eleições serão realizadas no próximo mês de outubro, na Assembleia Geral da ONU. “Proteger e promover os direitos humanos é um objetivo prioritário para a Itália e o qual perseguimos em nível nacional e internacional”, declarou a embaixadora do país nas Nações Unidas, Mariangela Zappia.

A diplomata destacou o “papel proativo” da Itália em “batalhas cruciais para os direitos das pessoas”, como contra a pena de morte, as mutilações genitais femininas e os casamentos forçados e precoces.

“A luta contra qualquer forma de discriminação, pelos direitos das mulheres e das crianças, pela liberdade de religião, contra o tráfico de seres humanos, pelos direitos das pessoas com deficiência, pela proteção do patrimônio cultural e religioso: a Itália pretende insistir nessas prioridades como membro do conselho”, afirmou.

O país foi integrante do Conselho de Direitos Humanos entre 2007 e 2010 e 2011 e 2014. Atualmente, participa do órgão como “observador”.