O Ministério Público de Palermo ordenou nesta terça-feira (10) a prisão de 13 membros de uma organização criminosa acusadas de favorecer a imigração ilegal e transportar criminosos da Tunísia para a Itália em barcos de luxo

A organização teria transportado sujeitos procurados pelas autoridades tunisianas, incluindo pessoas procuradas por ligação com grupos terroristas de matriz islâmica.

As viagens eram feitas em pequenos grupos de pessoas, para não chamar a atenção das entidades da Itália. De acordo com estimativas dos procuradores, o grupo cobrava de 3 a 5 mil por pessoa para transportar os refugiados . As autoridades italianas conseguiram descobrir alguns jihadistas dentro do grupo criminoso por meio de perfis falsos e propagandas em prol do Estado Islâmico (EI) em redes sociais.

As ordens de detenção são executadas pela polícia de Palermo e pela companhia de Marsala. Entre os detidos há tunisianos, italianos e marroquinos. Mandados de busca e apreensão também são cumpridos nas residências e em locais usados pela organização para tráfico ilícito.

De acordo com a investigação, o lucro do grupo chegava de 30 e 70 mil euros por viagem. O sul da Itália está entre as principais rotas para as arriscadas jornadas de imigrantes, que viajam em embarcações clandestinas na esperança de serem abrigados na Europa. (ANSA)