Itália não está cogitando nenhum “plano B” para sair da zona do euro, disse o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio nesta quarta-feira (11)

Em uma entrevista ao canal de televisão La7, Di Maio, que lidera o anti-establishment Movimento 5 Estrelas, também disse que seu partido “não quer deixar o euro ou ser forçado a deixá-lo”.

O governo italiano, composto pelo 5 Estrelas e pelo partido de direita Liga, negociará para mudar as regras fiscais da União Europeia, de forma que a Itália possa investir mais e ajudar seu programa econômico de corte de impostos e gastos sociais, explicou Di Maio.

Pressionado a falar sobre os comentários feitos na terça-feira pelo ministro de Assuntos Europeus, Paolo Savona, segundo o qual a Itália deve estar preparada para “todas as eventualidades” no tocante à sobrevivência do euro, Di Maio reiterou que abandonar a moeda não está em pauta.

“Não estamos cogitando nenhum plano B, e o governo não está trabalhando em um”, afirmou Di Maio, que também é ministro do Trabalho e da Indústria no gabinete que tomou posse no mês passado.

Ele disse que concordou com Savona que o Banco Central Europeu deveria ter mais poderes em áreas como a política cambial.

“Temos que modificar o estatuto do BCE para que ele possa atuar como um Banco Central de verdade”, disse Di Maio.

(Reuters)