Motivo é a escalada acionária dos franceses na operadora

(ANSA)

O governo da Itália aplicou nesta terça-feira (8) uma multa de 74,3 milhões de euros à operadora TIM, no âmbito do “golden power”, instrumento que dá a Roma poderes para “proteger” empresas consideradas de interesse nacional.

O valor, aprovado pelo primeiro-ministro Paolo Gentiloni e proposto pelo ministro do Desenvolvimento Econômico Carlo Calenda, representa 1% do faturamento da TIM e de seu principal acionista, o grupo francês Vivendi.

O “golden power” foi ativado pela Itália no ano passado, após a Vivendi ter aumentado sua fatia na TIM para 23,94%, assumindo seu controle de facto. Por consequência, os franceses ganharam papel relevante em duas subsidiárias da operadora consideradas “de importância estratégica para a defesa e a segurança nacionais”.

As companhias em questão são a Sparkle, dona de uma rede de 500 mil quilômetros de cabos de fibra ótica, e a Telsy, fornecedora de telefones, aparatos e sistemas à prova de interceptações.

Segundo o governo, a Vivendi e a TIM não o notificaram sobre a escalada acionária.

Recentemente, a Itália passou a fazer parte do corpo de acionistas da operadora, por meio da Cassa Depositi e Prestiti (CDP), dona de 5% das ações. A CDP apoiou o fundo norte-americano Elliott na vitória sobre a Vivendi na eleição para o conselho de administração da TIM, realizada em 4 de maio.

Agora a Elliott tem 10 conselheiros, contra cinco dos franceses.

“O quadro normativo não permite identificar a TIM como responsável pela sanção. A empresa se reserva todas as avaliações a respeito, inclusive depois dos aprofundamentos iniciados imediatamente”, diz um comunicado da empresa.

A nota afirma ainda que a operadora tem vontade “incondicional” de “colaborar com o governo para garantir plena harmonia na tutela da segurança nacional”.