Os italianos poderão ter de voltar às urnas. As negociações para a formação do futuro governo sofreram um novo revés depois de o Partido Democrata ter fechado a porta a um possível acordo com o Movimento Cinco Estrelas

O chefe de Estado pode ter de convocar eleições antecipadas. A decisão vai ser conhecida nos próximos dias. Isto numa altura em que os resultados provisórios das eleições regionais de Friuli-Venezia Giulia, deste último domingo (29), apontam para a vitória da coligação de centro-direita com mais de 57 por cento dos votos.

A Liga de Salvini (antiga liga do Norte) foi o partido mais votado com mais de 35 por cento, o Movimento Cinco Estrelas o grande derrotado, abaixo dos 10 por cento.

A formação liderada por Luigi di Maio foi a mais votada nas eleições legislativas de março, mas sem maioria. A coligação de centro direito conseguiu, no entanto, eleger mais deputados. Incumbido de formar governo, Di Maio tentou negociar com Salvini, que se manteve fiel ao parceiro de coligação Silvio Berlusconi (Força Itália). Já a aproximação ao Partido Democrata não foi bem-sucedida. Matteo Renzi, antigo líder do partido já tinha recusado qualquer coligação com o Movimento Cinco Estrelas (M5S) confirmou isso mesmo este domingo. O antigo chefe de governo italiano reiterou que o partido está disponível para discutir a reforma eleitoral, mas não para governar. (Agência Reuters)