Neste domingo (1), a França interrompeu as atividades na fronteira

A promotoria de Turim abriu neste domingo (1) um inquérito sobre o incidente ocorrido em Bardoneccia envolvendo agentes franceses, um imigrante e a ONG Rainbow4Africa, o qual gerou uma crise diplomática entre a Itália e a França.

Na noite de sexta-feira (30), policiais franceses entraram no território de um centro de imigrantes na cidade italiana, próximo à fronteira com a França, e forçaram um imigrante nigeriano a fornecer uma amostra de urina para um teste de drogas. De acordo com as autoridades, o homem era suspeito de tráfico.

O grupo humanitário Rainbow4Africa, que monitora o centro, acusou os agentes de interferirem no trabalho das instituições italianas. Após o ocorrido, o Ministério das Relações Exteriores da Itália anunciou a convocação do embaixador francês em Roma, Christian Masset, para prestar esclarecimentos sobre a operação.

De acordo com a procuradoria, entre os crimes investigados estão abuso em registros de escritório, violência privada e violação de domicílio. A possível existência de busca ilegal também está sendo avaliada. O processo foi aberto depois que um primeira relatório foi enviado pelo Comissariado de polícia do Estado de Bardonecchia.

O caso é coordenado pelo procurador Armando Spataro, que já tomou algumas medidas investigativas como a aquisição de documentos e o agendamento de uma audiência com testemunhas.

Na manhã de domingo, o ministro francês das Contas Públicas, Gérard Darmanin, enfatizou que a “Itália é uma nação irmã” e por isso pediu “aos funcionários da alfândega, que não fizeram nada ilegal, que suspendessem o funcionamento do nosso acordo”, enquanto aguardam minha visita ao governo italiano.

Desde dezembro do ano passado, mais de mil refugiados encontraram assistência no centro médico da estação de Bardonecchia. (ANSA)