A medida era contestada na Justiça administrativa

(ANSA) – O Conselho de Estado, última instância da Justiça administrativa da Itália, autorizou que estrangeiros exerçam cargos de direção em museus no país, nesta segunda-feira (25).

A decisão põe fim a um longo procedimento judiciário iniciado após um recurso contra a indicação de cinco pessoas de outros países para dirigir importantes museus italianos, aprovados pelo ministro dos Bens e Atividades Culturais na época, Dario Franceschini.

Em maio de 2017, o Tribunal Administrativo Regional (TAR) do Lazio havia considerado as indicações irregulares, pois contrariavam uma lei que impede cidadãos não italianos de assumirem cargos importantes em museus.

A decisão do TAR foi suspensa pelo Conselho de Estado, com base na normativa da União Europeia “que não consente a exclusão de um cidadão da UE em uma seleção pública”. Entre os museus beneficiados pela medida estão as Gallerie degli Uffizi, em Florença, dirigidas pelo alemão Eike Schmidt.