As vítimas são 2 senhoras de Tivoli, na província de Roma e um senhor de Acerra, em Nápoles

Este foi o ano que a Itália enfrentou a semana mais quente do ano, a região mais afetada foi a centro-sul, onde houve 3 vítimas em dois incêndios.

Os corpos de duas mulheres, mãe e filha, foram encontrados durante a tarde desta segunda feira (7), em uma pequena casa em um terreno que foi tomado pelas chamas, na cidade de Tivoli, que desde julho vem sofrendo com frequentes focos de fogo.

Os corpos das vítimas foram achados durante a operação do Corpo de Bombeiros para apagar as chamas do incêndio. Ines Scrocca, 92 anos, e Rosanna Schianchi, 68 morreram intoxicadas pela fumaça decorrente do incêndio. Um homem foi encontrado vivo e encaminhado ao hospital.

Em outra região, na cidade de Acerra, um senhor de 84 anos faleceu já no hospital, após ser internado no dia anterior com graves queimaduras pelo corpo, provocados por um incêncio em uma plantação.

Em Vicchio, na região da Florença, um incêndio resultou na evacuação de um hotel rural, outros focos de chamas foram encontrados na capital de Roma, na Sicília e perto de Parque Nacional do Vesúvio, em Nápoles.

A razão de tantos focos de fogo é uma combinação entre tempo seco, fortes ventos e calor, além das suspeitas de incêndios criminosos. Outro grande problema que a Itália vem passando é a crise hídrica, que vem sendo causado pela falta de chuvas, que deixou, pelo menos, 10 regiões da Itália, em alerta de calamidade. (ANSA)