Todos os imigrantes, cerca de 140, que estavam a bordo do “Diciotti” no porto italiano de Catania, na Sicília, desembarcaram na madrugada de domingo (26), informou a imprensa local

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, que mantém uma linha dura sobre imigração, autorizou o desembarque no sábado à noite após o acordo da Igreja Católica da Itália, da Albânia e da Irlanda para distribuir os imigrantes que estavam a bordo do navio da Guarda Costeira italiana.

Salvini, que também é chefe do partido Liga de extrema-direita, havia proibido até então o desembarque desses imigrantes, resgatados no mar na madrugada de 15 a 16 de agosto.

A decisão de impedir o desembarque desses imigrantes levou à abertura de uma investigação judicial contra Salvini por “sequestro de pessoas, detenções ilegais e abuso de poder”.

(AFP)