O Governo italiano desmentiu na quinta-feira (3) que o encarregado de negócios da Embaixada da Coreia do Norte em Roma tenha pedido asilo no país no início de dezembro

“Não consta nenhum pedido de asilo por parte de funcionários norte-coreanos”, apontaram fontes do Ministério de Relações Exteriores italiano aos veículos de imprensa locais, desmentindo o que foi publicado pelo jornal de Seul “JoongAng Ilbo”.

As fontes agregaram que “então, pela via diplomática, foi comunicado ao Ministério a mudança do encarregado de negócios norte-coreano em Roma. Tal mudança aconteceu depois”.

De acordo com o jornal sul-coreano, o diplomata Jo Song-gil pediu asilo na Itália para evitar sua repatriação à Coreia do Norte.

Jo estava à frente da embaixada norte-coreana desde outubro de 2017 após a decisão do Governo de Roma de expulsar Mun Jung-nam como representante norte-coreano, por causa do teste nuclear do mês anterior, o maior já conhecido até agora.

De acordo com o mencionado jornal de Seul, as autoridades italianas “estão protegendo” o diplomata norte-coreano, de 48 anos, e o colocaram em um local seguro não especificado.

As fontes diplomáticas citadas pelo jornal sul-coreano não detalharam as razões pelas quais o embaixador interino da Coreia do Norte procura asilo na Itália ou em um terceiro país, embora apontaram que podem se tratar de temas familiares.

(EFE)