Os Ministérios das Políticas Agrícolas e dos Bens Culturais e Turismo da Itália proclamaram o ano de 2018 como “o ano da comida italiana”

O anúncio neste sábado (30), feito através de nota dos ministros Maurizio Martina e Dario Franceschini, destaca que já a partir de janeiro haverá uma série de eventos ligados à cultura e à tradição enogastronômica da Itália.

De acordo com o governo, o foco da ação será na valorização dos reconhecimentos dados pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em relação às comidas – como no caso da Dieta Mediterrânea, às tradições de Pantelleria, as paisagens de Langhe-Roero e Monferrato, além do destaque à Parma como “cidade criativa da gastronomia” e ao recente reconhecimento à arte dos pizzaiolos napolitanos.

Também será uma oportunidade para demonstrar apoio à candidatura já iniciada para o reconhecimento do Prosecco e da nova candidata que será lançada no ano que vem que se refere ao tradicional prato da cidade de Amatrice, a “spaghetti all’amatriciana”.

Ao mesmo tempo, serão criadas iniciativas para apresentar e promover, também com fins turísticos, as paisagens rurais históricas, pelo envolvimento da população e ainda de combate ao desperdício de comida.

“Nós temos um patrimônio único no mundo, que graças ao ano do alimento, poderemos valorizar ainda mais. Não se trata de destacar só os sucessos econômicos desse setor, que em 2017 chegou ao recorde de 40 bilhões de euros em exportações, mas de ressaltar a ligação profunda entre comida, paisagens, identidade e cultura”, destacou o ministro das Políticas Agrícolas, Martina. (ANSA)