Nesta sábado (8), durante a reunião do G20, Paolo Gentiloni, primeiro ministro italiano, falou sobre o problema dos imigrantes econômicos.

“Estamos todos conscientes da diferença jurídica entre refugiados e imigrantes econômicos. Mas estes representam mais de 85% das chegadas e também gerir e conter os fluxos é, e sempre será, um desafio europeu e global”, afirmou o premier aos presentes.

Os imigrantes econômicos são aqueles que fogem de seus países na tentativa de encontrar melhor oportunidades e um refugiado é alguém que, seja por perseguições políticas ou por conflitos e guerras, não pode mais voltar para sua nação-natal.

Gentiloni voltou a ressaltar a importância de “investir na África para o desenvolvimento e contra as consequências das mudanças climáticas, estabilizar a Líbia e combater os traficantes de seres humanos”, para ressaltar as iniciativas das Nações Unidas.

A Itália continua sendo um dos países que mais recebem deslocados internacionais e a maior parte dos imigrantes continuam sendo pessoas que se arriscam pelo Mediterrâneo em busca de uma vida melhor na Europa.