Investigação começou em 2012 e envolveu 82 pessoas

Promotores italianos descobriram um elaborado esquema de lavagem de dinheiro envolvendo a Fórmula 1 e o GP da Itália. Segundo a publicação La Repubblica, uma investigação começou em 2012 e 82 pessoas, muitas das quais são influentes no Grande Prêmio da Itália, estão sob investigação por possível evasão fiscal e pela criação de uma sistema falso de faturas relacionadas a contratos de patrocínio dos pilotos.

O ex-dono da Fórmula 1 Bernie Ecclestone, o atual presidente da FIA, Jean Todt, e seu filho, Nicholas, foram questionados sobre o assunto, com Todt suspeito pelas autoridades de inflacionar artificialmente o patrocínio do então piloto da Marussia, Jules Bianchi. O relato também alega que os promotores italianos temem que sistemas duplicados possam ter sido implantados em vários outros países europeus que sediaram um grande prêmio nos últimos seis anos. As informações são do blog F1Mania.