PD não quer ficar marcado por apoio a governo “técnico”

(ANSA)

O Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, deve se abster de dar o voto de confiança ao primeiro-ministro encarregado da Itália, Carlo Cottarelli, indicado pelo presidente Sergio Mattarella.

A proposta foi apresentada pelo líder interino da legenda, Maurizio Martina, e não deve encontrar resistência entre seus parlamentares. O PD, que já sofre com a crescente impopularidade, teme ficar marcado como o único partido a apoiar um governo “técnico”.

“O PD apoia com plena convicção o modus operandi do presidente Mattarella e a escolha de formar um governo neutro que leve a eleições antecipadas. E até para respeitar o caráter de neutralidade política do governo, acredito que seja oportuno que o PD se abstenha no voto de confiança”, declarou Martina.

Com isso, Cottarelli não deve ter o apoio de nenhum grande partido no Parlamento, o que fará a Itália ter novas eleições no segundo semestre. Ainda assim, ele ficará no poder até lá, para cuidar de assuntos correntes.

Mattarella já falou em convocar o país às urnas “depois de agosto”, mas o PD se mobiliza para tentar realizar o pleito legislativo em julho.