Detentos de um presídio em uma ilha de Gorgona, na Itália, estão ajudando na produção de um tipo especial de vinho branco cuja garrafa custa cerca de 100 dólares

Desde 2012, Lamberto Frescobaldi, dono da tradicional vinícola que leva seu sobrenome, mantém um acordo com o governo do país que visa ajudar presos em processo de reabilitação.

A produção do vinho Gorgona, batizado com o nome do arquipélago, começou timidamente seis anos atrás e hoje o rótulo já está na sua quinta safra.

As uvas são cultivadas na ilha do presídio e todo o processo de produção da bebida é feito com a ajuda dos detentos.

No início, Frescobaldi não deslumbrou que poderia ir tão longe com seu projeto social, até mesmo porque muitos desafios tiveram que ser superadas ao longo dos últimos anos, como o mofo nas plantações e o clima não tão propício para o cultivo da uva na região da pequena ilha.

O vinho branco produzido na ilha é feito a partir da combinação das espécies de uva vermentino e inzolia, essa última não muito adequada para a fabricação de vinhos. A mistura, no entanto, funcionou e tem rendido  elogios ao Gorgona.

Atualmente, cerca de 100 detentos na ilha se dedicam à produção do vinho e há uma lista de espera de presos querendo aprender o processo. (Exame)