Deputados do país europeu reforçam o que antes seriam um pedido sigilosos do governo italiano ao Brasil

Nesta terça-feira (26) deputados italianos vê repercutindo o pedido da Itália sobre Battisti, segundo a Ansa.

Para Edmondo Cirielli, do Fratelli d’Itália-Aliança Nacional a notícia é vista de forma positiva.

“Que se coloque um fim à fuga do terrorista vermelho. Que se faça, finalmente, justiça porque isso nós devemos às vítimas e às famílias delas. O governo italiano precisa reiterar imediatamente o pedido de extradição para o Brasil. Há mais de três anos não há nada sobre isso”, disse.

Dividindo o mesmo pensamento, a senadora Elvira Savino, da Força Itália pediu que a “mídia não apague os refletores sobre uma injustiça que dura já há muitos anos”.

“Cesare Battisti é um terrorista condenado à prisão perpétua com várias sentenças mas, ao invés de estar na prisão, está curtindo férias no Brasil. Isso só foi possível porque o ex-presidente [Luiz Inácio] Lula [da Silva] rejeitou enviá-lo à Itália. Mas, as coisas mudaram e há a possibilidade de extraditá-lo”, afirmou Savino.

Ainda de acordo com ela, “é necessário que as instituições italianas saibam o quanto é importante para o povo italiano que o ex-membro dos Proletários Armados pelo Comunismo seja devolvido à Justiça de nosso país”.

Quem é Cesare Battisti?

Battisti seria  membro do PAC ( Proletários Armados pelo Comunismo), na década de 70, segundo a Ansa e foi condenado à prisão perpétua por terrorismo.

Além deste crime, ele ainda está ligado a quatro assassinados, todos os crimes aconteceram durante o período “Amos de Chumbo” na Itália.

Durante sua fuga, Battisti passou pela França e México antes de chegar ao Brasil em 2007. O Supremo Tribunal Federal autorizou sua extradição para a Itália após ser preso no Rio de Janeiro.

A medida porém não foi acatada, no último dia do seu segundo mandato, foi permitido sua permanência no Brasil.