Texto seguiu para sanção do presidente Sergio Mattarella

O decreto com medidas para enfrentar a emergência da queda da Ponte Morandi, em Gênova, recebeu o aval da Contabilidade-Geral do Estado após polêmicas nas últimas semanas. O documento foi enviado para sanção do presidente da Itália, Sergio Mattarella.

O projeto engloba medidas “urgentes”, mas chega quase um mês e meio depois do desabamento, que deixou 43 pessoas mortas no dia 14 de agosto. O decreto prevê, inclusive, a nomeação de um comissário pelo governo para enfrentar a emergência, auxílios financeiros para desalojados pela tragédia e incentivos fiscais para empresas afetadas.

O documento também diz que a reconstrução da Ponte Morandi não pode ser feita pela concessionária Autostrade per l’Italia. Empresa que é considerada pelo governo como culpada pelo desastre. No entanto, o texto não indica quem conduzirá a obra.