Ex-premier se posicionou contra a sua inelegibilidade

Nesta terça-feira (27), a Corte Europeia de Direitos Humanos arquivou um processo movido pelo ex-primeiro-ministro da Itália Silvio Berlusconi contra a sua inelegibilidade.

O próprio Berlusconi tomou a decisão, argumentando de que ele já foi “reabilitado” a ocupar cargos públicos pela Justiça italiana. O ex-premier estava inelegível desde 2013, por conta de uma condenação definitiva por fraude fiscal que custou seu mandato de senador.

Contudo, em maio deste ano, o Tribunal de Vigilância de Milão autorizou Berlusconi a ocupar cargos públicos um ano antes do previsto, por ele ter mostrado “boa conduta” e ter cumprido suas obrigações com a lei.

“Levados em consideração todos os fatos do caso, em particular a reabilitação de Berlusconi e seu desejo de retirar o recurso, a Corte conclui que não há circunstâncias especiais relativas ao respeito dos direitos humanos que exijam a continuação do exame do recurso”, disse o tribunal.

Aos 82 anos, Berlusconi ainda é réu por manipulação e corrupção de testemunhas em três processos, foi denunciado em outro e é investigado em mais quatro. Ele é acusado de subornar pessoas interrogadas sobre as festas com prostitutas em suas mansões.