Mais de 41 mil crianças e adultos foram infectados com sarampo nos primeiros seis meses de 2018 na Europa, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O número é maior que o verificado em todos os outros anos desta década

Desde 2010, 2017 foi o ano com maior número de casos: 23.927. Ao menos 37 pessoas morreram devido à doença neste ano.

“Após o menor número de casos da década, em 2016, estamos vendo um aumento significativo de infecções e surtos estendidos”, diz Zsuzsanna Jakab, diretora regional da OMS para a Europa.

“Pedimos a todos os países que implementem imediatamente medidas abrangentes e adequadas ao contexto para impedir a propagação dessa doença. A boa saúde para todos começa com a imunização e, enquanto o sarampo não for eliminado, não cumpriremos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.”

Sete países da região tiveram mais de 1 mil infecções em crianças e adultos este ano (França, Geórgia, Grécia, Itália, Federação Russa, Sérvia e Ucrânia). A Ucrânia foi a mais atingida, com mais de 23 mil pessoas afetadas; isso representa mais da metade do total regional. Mortes relacionadas ao sarampo foram relatadas em todos esses países, com a Sérvia registrando o maior número (14).

Segundo o órgão, 43 dos 53 países da região interromperam a propagação endêmica do sarampo e 42 interromperam a disseminação da rubéola (com base nos relatórios de 2017).

Segundo um boletim divulgado em janeiro pelo Ministério de Saúde da Itália, em 2017, a península registrou 4.991 casos de sarampo, um aumento de quase 600% em relação aos 844 de 2016. Além disso, quatro pessoas morreram no país por causa da doença.

“Estamos muito preocupados que três dos sete países com maior incidência de casos de sarampo na Europa sejam da União Europeia. A baixa imunização de um país coloca em risco a segurança e a saúde dos cidadãos europeus, e a vacinação é um ato de solidariedade”, informou um porta-voz da União Europeia.